Eu, o forno solar e a Pleno Sol

Não lembro bem do meu primeiro  contato com o cozimento solar, mas me lembro perfeitamente das minhas primeiras experiências.  Era tudo muito impulsivo. Pintei um pote de azeitonas com uma tinta do meu pai, preto fosco. Montei uma caixa de madeira e a forrei com retalhos de caixa longa vida e latinhas de alumínio. Umas placas grandes de plástico branco compunham o refletor externo. Preenchi o pote com batatas cortadas e água e expus ao sol.

Após algumas tentativas, sucesso!  Aquela geringonça cozinhou as batatas. Mas o aparato não era nada prático muito menos eficiente. Perdi o fio da meada. Mas a idéia estava semeada.

Minha vida seguiu, como a maioria de nós, longe do cozimento solar. Até que, em meio as minhas pesquisas ansiando a autosuficiência, mais exatamente no inverno de 2009, me encontrei novamente com o forno solar. Desta vez com muito mais acervo, construi meu primeiro forno solar de caixa.

Este forno já não se enquadra na categoria geringonça. O modelo leva em consideração os conceitos básicos necessários para o cozimento solar.

A caixa térmica, com paredes compostas de duas camadas de compensado de madeira recheadas de diversos tipos de isolantes como papelão, jornal, flanela e caixa de longa vida, para reduzir ao máximo a perda de calor.

A parede interna forrada de papel alumínio reflete o calor e a luz para que a energia se concentre no elemento negro , no caso, uma chapa de aço pintada de preto fosco e afastada do fundo da caixa, que transforma a energia luminosa em calor.

O vidro permite a entrada da luz mas reflete as ondas de calor, aprisionando também ar quente e vapor.

O refletor externo aumenta a área de captação de luz.

Montado em um carrinho de madeira que facilita acompanhar o sol em seu trajeto pelo céu.

Funcionou muito bem! Apesar das características específicas do cozimento solar, é possível fazer de tudo.

Não demorou para surgir a vontade de tornar aquela atividade fonte de renda. Minhas habilidades manuais e o gosto por construir levaram o empreendimento no sentido de projetar e construir fornos solares. Mas para isso os clientes teriam que querer cozinhar com o sol. Poucas pessoas conhecem o cozimento solar, algumas destas já tiveram contato direto com a tecnologia, destas uma ou outra gostariam de praticar em casa. Desanimo! a fronteira cultural parecia intransponível.

Mas sem desistir continuei a pesquisa e me deparei com o prêmio “Jovem empreendedor”, que naquele ano, premiou o projeto da mini-fábrica de biscoitos assados com energia solar. Me voltei para esta idéia, e descobri diversas iniciativas parecidas no mundo inteiro. Padarias solares na Índia,  restaurantes nos altiplanos andinos e por aí vai. Ânimo novamente! Por que não pensei nisto antes? A idéia começava a tomar a forma atual. O publico alvo se expandiu, basta mastigar e engolir. A energia do sol entrando na vida das pessoas por via expressa, a boca!

Nasce a Pleno Sol. E começam as experiências para criar um forno solar capaz de realizar a tarefa de produzir biscoitos de forma comercial, prática e eficiente. Os modelos divulgados na rede não satisfaziam minhas necessidades, os de características simples mais baratos e fáceis de montar não são práticos para os fins desejados. Os mais específicos, desenhados para o funcionamento em padarias solares, são mais caros e complexos de montar. Surge a demanda de criar um modelo próprio.

Depois de alguns desenhos, o 1° protótipo foi rapidamente montado com materiais achados pela casa.

Algumas falhas de projeto não permitiram o sucesso do modelo, mas o conceito estava provado e aprovado!

Detectei as falhas, elaborei soluções, desenhei e comecei a construir o 2° protótipo.

Protótipo 2 Forno solar de insolação dupla

Protótipo 2 Forno solar de insolação dupla

Boas características deste modelo são o fácil rastreamento solar (acompanhar o sol em seu trajeto), a grande área de insolação que permite um rápido aquecimento e a pequena abertura lateral, que facilita a colocação do alimento no forno e reduz a perda de vapores consequentemente calor.

Atualmente o protótipo2 é o forno em funcionamento na Pleno Sol produzindo o suficiente para dar os primeiros passos do empreendimento.

Mas não vai parar por aí.  As últimas experiências já criaram a demanda por uma capacidade de produção maior. O próximo projeto, logo logo vai para a prancheta. Mantenho-os informados.

Anúncios

2 comentários sobre “Eu, o forno solar e a Pleno Sol

  1. Filho, sei que este seu empreendimento faz parte de uma vida que vc escolheu e que esta seguindo, perseguindo e achando os caminhos para transformar este mundo. Acredito em você e em suas idéias e buscas. Você é um grande empreendedor. Parabéns e conte com minha ajuda e apoio. Beijo carinhoso. Pai.

    Curtir

  2. Nico não sei se você lembra quando fez um jacaré de massinha e ficou perfeito,já estava prometendo por sua criatividade,você era bem pequenino.Mais tarde foram as bio-joias,lindas achei que este era seu caminho mas seu olhar era para ajudar a humanidade não é?Agora acho que encontrou o caminho .Que Deus te ilumine sempre!O que precisar estando ao meu alcance te ajudarei.Te amo.Vovó

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s